Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Contraste de emoções

 

Muitos portugueses não acreditavam e continuam a não acreditar nesta selecção e na capacidade de liderança de Carlos Queiroz. Confesso que fiz parte desse grupo de criticos sobretudo após a exibição e a vitória sofrivel na Albania. Continuo sem entender algumas apostas de Queiroz mas elogio a sua persistência durante a campanha.

 

O seleccionador acreditou sempre que seria possível estar na África do Sul e contra tudo e contra todos conseguiu o passaporte. Penso que a alteração de sistema, do 4-3-3 para o 4-4-2 (losango), foi inteligente e a colocação de Pepe a trinco também foi bem executada. Queiroz criou um núcleo forte que encarou de forma positiva e decidida a fase final do apuramento. 

 

Neste playoff o 4-3-3 voltou mas acredito que seja o 4-4-2 o sistema de Portugal para o Mundial. Ronaldo terá assim maior liberdade e Liedson não estará tão desaparado na frente.

 

Portugal pode realizar um bom Mundial e tem talento para quem sabe repetir a façanha de 2006.

 

A alegria de ter Portugal no Mundial contrastou com a tristeza, quando vi os desfechos das restantes eliminatórias. 

 

A Grécia eliminou a Ucrania de forma cinica e voltou a vencer graças à versão "Euro 2004".

Implacavel a fechar espaços para a baliza e a concretizar uma das poucas oportunidades que teve durante o jogo.

 

Em Maribor ficou pelo caminho uma das selecções que melhor futebol pratica na actualidade. A Eslovénia supreendeu a Rússia e Hiddink perdeu uma grande oportunidade para mostrar ao mundo a geração de ouro que comanda.

Russia e Ucrania são na minha opinião superiores aos seus adversários e privilegiam um futebol muito mais atractivo. O Mundial ficou a perder com as suas ausências.

 

Sem Rússia e Ucrania, faltava apenas saber quem levava a melhor em Paris.

 

Ao acompanhar o prolongamento do França-Irlanda, desejei que pelo menos nesta eliminatória se fizesse justiça. A prepotente França enfrentou uma Irlanda que é um exemplo de entrega e disponibilidade ao jogo.

Os franceses são superiores tecnicamente mas o seu futebol é por demais previsivel. Os irlandeses bateram-se de igual para igual e justificaram uma noite de glória. Os homens de Trapattoni mereciam marcar presença na Àfrica do sul mas a mão de Henry acabou por decidir.

 

À prepotência juntou-se a batota e o futebol foi novamente injusto. O esforço de anos expirou-se num erro do árbitro e voltou a discussão relativamente ao futuro do futebol.

 

Não entendo a teimosia da FIFA em não colocar a tecnologia ao serviço do Futebol.

 

A culpa não é de Henry.

 

O francês mostrou-se com peso na conscîência.

Será que Blatter também?

 

France's Thierry Henry handballs during a World Cup qualifier match against Ireland in Saint Denis, near Paris.  (Pic: Sky Sports)

 

 

publicado por A.S às 22:16
link | comentar | favorito

.arquivos

.tags

. todas as tags

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. A febre da Copa

. Villas-Boas nos Spurs, o ...

. A jornada dos grandes (16...

. As duas faces dos Citizen...

. Craques em destaque: Heun...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Serie A: Quem desafia a J...

blogs SAPO

.subscrever feeds