Domingo, 11 de Dezembro de 2011

Tiki-taka não caiu do trono

 

Desde da final da Champions de 2009, em Roma, que o Barcelona atingiu o estatuto de melhor equipa do mundo e a verdade é que desde daí nunca mais perdeu esse estatuto. Mesmo quando perdeu para o Inter em 2010, sabia-se que os nerazurri não eram superiores aos catalães.

 

Agora ameaçado por um Real mais forte nesta segunda época de Mourinho, e ainda com uma desvantagem pontual a acrescentar, este clássico representava sem sombra de dúvidas um teste à superioridade da equipa de Guardiola.

 

O jogo do Bernabéu podia ter representado a queda do Barcelona do trono do futebol mundial mas a verdade é que mais uma vez o tiki-taka blaugrana provou que é superior.

 

O primeiro tempo foi muito parecido ao que se viu na  Supertaça, um Real em pressão alta e a aproveitar as perdas de bola na primeira fase de construção "Blaugrana". Já o Barça mantinha-se fiel ao seu estilo e intensificava o poder de posse com a coexistência de Iniesta, Cesc e Xavi em zonas interiores do terreno.

 

O empate ao intervalo justificava-se e quanto a oportunidades de golo o Real até teve mais.

 

Nos segundos 45 minutos, a música foi outra, o Real deixou de conseguir pressionar alto e o Barça começou a ter tempo e espaço para explorar todo o seu futebol.

 

Penso que Mourinho errou, não tanto no onze inicial mas mais nos ajustamentos e alterações durante a partida.

 

No onze que iniciou o jogo, a opção que deixa mais dúvidas é a colocação de Coentrão na lateral direita, sobretudo com Lass e Arbeloa entre os disponíveis.

 

Quanto às decisões ao longo do desafio, o principal erro de "Mou" foi na minha perspectiva na segunda parte.

 

O Barcelona dominava a partida e em certo momento percebeu-se que Alonso e Lass não chegavam para as encomendas. Mourinho optou por fazer trocas directas (Lass por Khedira e Ozil por Kaka), procurando maior frescura mas não resultou.

 

Depois do jogo é naturalmente mais fácil analisar, mas entendo que teria sido mais sensato apostar no trivote (Lass, Alonso, Khedira) no segundo tempo.

 

A equipa estava desgastada pelo intenso pressing realizado, os jogadores da primeira linha de pressão  (Ozil, Di Maria , Benzema e Cristiano) não iriam com certeza manter a bitola e o "trivote" poderia ter equilibrado mais a equipa.

 

 

O Barcelona aproveitou a menor intensidade dos rivais e fez por merecer a vitória

 

A melhor equipa do planeta ainda vive na Catalunha e nós próximos dias pode voltar a torná-lo oficial esse estatuto com a conquista do Mundial de Clubes.

 

Competição interessante e em que se perspectiva o duelo contra os "meninos da Vila", Ganso e Neymar.

 

O 11contra11 vai acompanhar a prova que se realiza no Japão, com especial ênfase no Barcelona e também no Santos.

 

 

Fique atento!

publicado por A.S às 19:48
link do post | comentar | favorito

.arquivos

.tags

. todas as tags

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. A febre da Copa

. Villas-Boas nos Spurs, o ...

. A jornada dos grandes (16...

. As duas faces dos Citizen...

. Craques em destaque: Heun...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Serie A: Quem desafia a J...

blogs SAPO

.subscrever feeds