Quarta-feira, 3 de Junho de 2009

Benfica 08/09

Quais os erros cometidos? Onde Quique falhou?

 

O Benfica da primeira parte da época não foi esmagador, mas mostrava capacidades para poder sagrar-se campeão. A defesa mostrava-se segura com Maxi,Luisão e Sidnei, o meio campo com Amorim-Katso-Yebda conferia consistência e o ataque mesmo sem Suazo como verdadeiro goleador conseguia criar poder ofensivo com Reyes e Aimar a desiquilibrar.

 

Mas a consistência foi desaparecendo. Sobretudo depois do jogo no Dragão.

Os encarnados sofreram 12 golos na primeira volta e 20 na segunda. Uma derrota na 1ª volta, quatro na segunda. A equipa sofreu 32 golos no total, pior registo que Braga e Leixões, o mesmo número que Nacional e Académica. Apenas menos três que Guimarães e Rio Ave, que lutou até á ultima jornada pela permanência.

 

O que aconteceu então?

A razão poderia estar na baliza e na constante troca de guarda redes que Quique executou. Mas não.

 

O jogo de Alvalade é bom exemplo. O Benfica demonstrou falta de frescura fisica e certos jogadores deixaram de render. Casos de David Luiz que teve uma noite horrível e Katso e Yebda que nunca mais foram os mesmos após esse jogo. Transições defensivas lentas e falta de agressividade inexplicavel.

As correrias de Suazo raramente resultavam em golo e a equipa começou também a mostrar falta de capacidade ofensiva.

Muitos dirão que Quique errou ao deixar Cardozo constatemente no banco.. Concordo mas compreendo Quique. Suazo tinha nome e qualidades que entusiasmavam, aposta forte de Rui Costa, era o jogador que mais recebia no plantel. Quique tinha de mostrar o porquê do investimento.

Cardozo tem melhor relação com o golo mas Suazo é mais exuberante.

 

Exibições como a realizada na Amadora são inaceitáveis. Apenas Maxi, Luisão, Amorim e Reyes mostraram consistência durante toda a época. O 4-4-2 nunca se mostrou totalmente apreendido pelos jogadores e situações como Aimar no flanco esquerdo, Amorim constantemente na direita e David Luiz na esquerda não se entendem.

 

Di Maria voltou a não explodir, Balboa um autentico "flop" e Carlos Martins como se esperava, irregular.

É nestes momentos que se pensa em jogadores como Léo, Petit e Simão. São homens com que se pode sempre contar, referencias dentro de campo.

 

Uma taça da Liga ganha sem brilho, mais um ano fora da Champions e para não falar da campanha na UEFA.

 

Os cofres estão a esvaziar.

 

Quero acreditar em Quique mas não consigo.

 

Sinto que com Jorge Jesus existiria uma ideia clara de jogo, mas sem matéria-prima também não há milagres.

Esperemos para ver...

 

6 milhões estão impacientes. 

  

publicado por A.S às 19:58
link | comentar | favorito

.arquivos

.tags

. todas as tags

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. A febre da Copa

. Villas-Boas nos Spurs, o ...

. A jornada dos grandes (16...

. As duas faces dos Citizen...

. Craques em destaque: Heun...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Análise Mundial 2014: Gru...

. Serie A: Quem desafia a J...

blogs SAPO

.subscrever feeds